Embora apto pelo TSE a concorrer, Luiz Fernando espera julgamento de recurso

O vice-prefeito Luiz Fernando Machado (PSDB), candidato a deputado federal neste ano, ainda lida com pendência da candidatura de 2006, em razão de diferença na prestação de contas daquela campanha.

Sua candidatura deste ano dependeu de um recurso ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em agosto, pois a prestação de contas foi rejeitada após uma espera de quatro anos para ser julgada na primeira instância.

As contas oficiais de 2006 indicam uma arrecadação de R$ 159,21 mil e gastos de R$ 159,06 mil (a maior parte em produção gráfica). Não há data para o julgamento.

Mas seu nome aparece como apto no site do TSE para concorrer domingo que vem, tanto que, nesta sexta (24), um e-mail assinado pelo prefeito Miguel Haddad foi enviado para milhares de endereços eletrônicos de jundiaienses com pedido de voto para Luiz.

Caso você não esteja satisfeito com os candidatos, veja como anular o voto ou votar em branco.

“Como em outras esferas da Justiça, a sobrecarga no setor eleitoral causa uma lentidão que dá sensação de impunidade”, afirma Luiz Fernando. Ele afirma que a rejeição de contas de campanha está longe de ser como no Tribunal de Contas ou no Ficha Limpa, o que poderia até gerar uma futura cassação. “É um registro de doação feita com o esquecimento do recibo.”

Eduardo Palhares (PV), também candidato a deputado federal, teve problemas de contas recusadas de 2005 da DAE, mas provou no TSE que foi julgado na época pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) sem recurso.

Para Pedro Bigardi (PCdoB), que enfrentou problemas semelhantes, a morosidade da Justiça exige “valorizar servidores com plano de carreira e salários, além de mais funcionários e modernização do sistema para acelerar os julgamentos e colocar tudo no devido lugar”.

O secretário de Comunicação e Governo, Carmelo Paoletti Neto, diz que os fatos “não devem impedir o fortalecimento da cidade com representantes eleitos”.